Para sempre jornalistas

0

O que é ser jornalista hoje em dia?

Felizmente, os estereótipos caem a cada dia. Não somos mais os profissionais das máquinas de escrever, que fumam, bebem e estão atrás de pautas admiráveis, buscando a primeira página.
O mundo evoluiu e nós também. A primeira capa é a timeline do Facebook, o vídeo do fato que viraria notícia espalhado em segundos para milhões de pessoas no WhatsApp, o live do Periscope e agora também do Facebook. O real time está estampado na palma das mãos de qualquer um, basta destravar o celular.

Mas então, o que sobra para nós, "pobres" jornalistas?

Aí é que mora a magia da profissão, e aquele tempero que garante nossa adaptação, evolução e sucesso: Sobra-nos a missão de buscar e contar boas histórias.

SIM! A gente manja disso. Saber contar histórias significa escrever um texto publicitário humanizado, uma campanha de marketing acertiva, significa escrever um texto lindo sobre a vida humilde de um auxiliar de serviços gerais, ou mesmo ser o auxiliar de serviços gerais, se a sala da coletiva precisar de uma limpezinha antes de todo mundo chegar.

Na faculdade não aprendemos a escrever, isso é o mínimo e vem mais ou menos daquele termo chamado "dom", deve ser isso, mesmo a gente aprendendo na aula de Artes que dom não existe. Na verdade, na facul aprendemos a entender de gente. Gente se comunica, aprendemos a interpretar.

Como entendemos dos paranauê das "comunicaçãum", a gente passa a visualizar tudo e todo mundo de uma forma diferente. De um jeito extremamente crítico e ao mesmo tempo humano e humilde. Alguns partem para os pólos dessa dicotomia e se tornam arrogantes, quando muito críticos, ou pobres, quando de tão humildes e conservadores em relação à profissão, pensam que devem ser tradicionais, trabalhar no impresso ganhando pouco porque é feio ficar rico.

Mas a maioria de jornalistas que conheço está no meio da criticidade e da humildade. Sabemos o que queremos e a gente pode atuar em muuuitas funções, não é mesmo?

Todo jornalista já foi um pouco de Fotógrafo, Designer, Diagramador, Professor, Redator, planner, Atendimento, Relações Públicas, Repórter, Produtor, Editor, Assessor, Consultor, Mediador, Economista, político, Porta-Voz, Cinegrafista, Tripé, Rebatedor, Iluminador, Artista. Ufa!

A gente faz de tudo mesmo e adora ser multitarefa, adora contribuir, adora querer saber de quase tudo um pouco, aprender, explorar, estudar e a cada vez ter a mais absoluta certeza de que a gente não sabe de nada. Mas continuaremos buscando aprender.

Não somos testemunhas de nosso tempo, somos espectadores da alegria que é ver todo mundo se comunicando tão lindamente. Uma sensação de missão cumprida, sabe?!

Mas sempre que tiverem Dilmas, Aécios, Lulas, produtos, presidentes, diretores, CEOs, capitalismo, socialismo, esportes, artes, música, tecnologia, inovação, tesão... estaremos lá, para ajudar todo mundo a entender o que está acontecendo ou o que pode acontecer. Seja para vender mais, informar, noticiar, ensinar.

Já falaram que eu era "apenas" um jornalista. hehehe Sabem de nada, inocentes! 

Nenhum comentário:

Postar um comentário